Facebook

Pigmentação dos seios: técnica de tatuagem 3D reconstrói mamilo e aréola

pigmentacao-nos-seios-tatuagem-3d-3.jpg Thinkstock

A mastectomia é um processo cirúrgico que consiste na retirada total ou parcial das glândulas mamárias para tratamento de câncer de mama. Com a cirurgia, os seios são profundamente afetados, especialmente quando o tratamento requer a retirada das aréolas e mamilos. Com o objetivo de auxiliar as mulheres que foram vítimas da doença a recuperarem a aparência dos seios, o tatuador Sérgio Maciel, dono do estúdio Led’s Tattoo foi pioneiro no Brasil na utilização da técnica de pigmentação e tatuagem 3D nas mamas.

Leia também:
Tatuagem na gravidez: riscos e contraindicações
R
emover tatuagem: veja quais são as técnicas para tirar tattoos do corpo
C
uidados com a tatuagem: o que é preciso

Sérgio conta que desde que recebeu a primeira cliente que desejava cobrir cicatrizes nos seios em função de um câncer têm trabalhado na técnica de reconstrução de mamilos e aréolas por meio das tattoos em terceira dimensão, que têm aspecto mais realista e na suavização de marcas cirúrgicas. “Além de redesenhar, procuro também deixar as cicatrizes o menos visíveis possível. Usando uma técnica de pigmentação semelhante a das maquiagens definitivas é possível ‘pintar’ as cicatrizes com tons muito próximos da cor da pele, ou se a pessoa preferir cobrir com um desenho que goste”, explica.

pigmentacao-nos-seios-tatuagem-3d-1.jpg Divulgação/Led's Tattoo

Como é feita a micropigmentação?

De acordo com o tatuador, o objetivo é fazer um desenho o mais próximo do real possível. “Se a mulher ainda tiver uma das aréolas, procuro imitá-la ao máximo no outro seio, na mesma cor, formato, tamanho, posição e reproduzindo até mesmo as imperfeições que deixam o trabalho mais real”, explica, “caso as duas aréolas tenham sido removidas, utilizo o tom de pele como base para recriá-los. Nos mamilos, o objetivo é utilizar a técnica 3D para projetá-los para frente”, pontua.

O processo é demorado, pois é necessário realiza-lo em etapas. “Se as cicatrizes ficaram muito profundas, pode ser necessário mais de uma sessão para cobri-las e reconstruir as aréolas e, entre as sessões, é preciso dar alguns dias para que a pele se recupere”, afirma.

pigmentacao-nos-seios-tatuagem-3d-2.jpg Divulgação/Led's Tattoo

Quanto tempo depois da cirurgia a tatuagem está liberada?

Sérgio ressalta que o aval médico é indispensável para poder fazer a tatuagem. “A mulher precisa conversar antes com o médico, que pode autorizar ou não a tattoo, dependendo do caso. Já recebi clientes que foram liberadas para fazer a tattoo depois de cinco ou dez anos depois da cirurgia”, comenta o profissional.

Como cuidar da tatuagem

A micropigmentação exige cuidados semelhantes aos das tatuagens no período de cicatrização da pele. Segundo o tatuador, é necessário passar pomadas cicatrizantes e cobrir os desenhos com bandagens durante os primeiros dias. “O resultado é uma arte muito natural e muito satisfatória para as clientes que fazem. Depois da superação da doença e das cirurgias, a tatuagem é um toque final para ajudar na recuperação da autoestima”, conclui Sérgio.

Artigos recomendados

0 Comentários

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.